terça-feira, 25 de agosto de 2009


Terra da Camamesaebanho – Parte II


Alguns fios gelados começaram a apartar sua etiqueta, machucando-a.

Ela não sabia o que estava acontecendo, estava em desespero total.

A dor estava se tornando intensa, até que algo a puxou aquilo que a abusava e ela só conseguiu ver vultos lutando.

Ela queria fugir, mas queria também saber quem tinha a salvado, mas não deu tempo, pois quando ia perguntar quem era, um outro corpo, desta vez quente, a beijou.

Depois do longo beijo, ele começou a apalpar a etiqueta dela, que aos poucos foi aos céus.

Senhorita Pano de Chão estava nas nuvens quando seu misterioso herói deu-lhe um beijo na testa e partiu, deixando com ela apenas o doce perfume e a ardente e calorosa lembrança.

Sem pensar, voltou correndo para casa, com medo de que algo mais estranho acontecesse. E passou a noite olhando as estrelas, ouvindo uma música dramática e lembrando daqueles fios macios, deliciosos e carnudos.

Na manhã seguinte, ela se sentia totalmente diferente: de um pano de chão, se sentia um travesseiro de primeira qualidade, ou o roupão mais macio e belo da Terra da Camamesaebanho.

Quando estava caminhando, Dom Roupão passou por ela e deu um sorriso.

Nisso tudo se encaixou, e ela pode jurar que tinha sido ela o seu herói na noite anterior. Ficou toda boba. Tão boba que quando encontrou Doutor Toalha, foi contar, toda feliz, que Dom Roupão tinha a beijado e salvado na noite anterior.

Ele ficou com cara de taxo, e começou a chorar. Então foi pro motel, pensando em se matar.

Mas ele queria fazer coisas no motel antes de morrer, e a chamou para ir junto. Porém, claro, ela não aceitou, falou que não iria trair seu grande amor.

Ele não tinha mais nada a perder, então se declarou e contou tudo. Ela não acreditou, e ficou rindo dele.

Ele, inconformado, a beijou.

E ao sentir aqueles fios a envolvendo, ela percebeu que ele tinha dito a verdade, e descobriu que no fundo o amava.

Mas, como tudo que é bom dura só um pouquinho, um aviãozinho de controle remoto bateu na cabeça dele e ele morreu de morte morrida, na verdade, traumatismo craniano.

Senhorita Pano de Chão foi acusada da morte de seu verdadeiro amor, e passou o resto da vida limpando privadas.

E o Dom Roupão? Bom, meu caro amigo... assumiu ser gay!


11 comentários:

  1. SAJDISAIJDIAJIJDIJSAIJDIA' só podia se vocês duas $:

    ResponderExcluir
  2. eu riii demais. tadinho do doutor toalha ;~ ♥

    ResponderExcluir
  3. 'um aviaozinho de controle remoto', KLWQJEKLWQJEKL :|

    ResponderExcluir
  4. AUIHEIUHAEIUHAIEHIAUH eu adoro as histórias de vcs, sério *-*

    ResponderExcluir
  5. SUHAUHSAHUASHUUHASHAU pra que estudar né? vamos escrever histórias felizes ! saklsakkosaoks

    ResponderExcluir
  6. AAAAAAAAHSUIDHIUASUDIHUASDIIUASDHIUASDUADS, coitadinha foi beijada, e fica lavando privada, mundo injusto x:

    ResponderExcluir
  7. SHAUSHAUSAHUSHAUSHAUSHAUSHAUSHAUSHAUHAUHUAHSUASHAUSHAUSHAUSHAUSHAUHSA, aaaaaaamei!

    ResponderExcluir
  8. valeu a pena esperar a parte II *-*

    ResponderExcluir